Tabula Rasa

Junho 26 2009

Quem nunca se sentou à mesa do Café “Piolho” na Praça de Parada Leitão no Porto e pediu um café não sabe o que está a perder! Não falo apenas da qualidade do café servido mas, principalmente, do ambiente histórico que se respira, do movimento vibrante que impera, da juventude que faz dele a sua segunda casa, dos mais velhos que fizeram dele a sua segunda casa, da boa energia que paira no ar, da casa cheia que transborda para o passeio apinhado às sextas e sábados à noite, das tertúlias que lá se fizeram, das tertúlias que lá se farão, dos namoros que pairam no ar, dos estudantes Erasmus que o preenchem de múltiplos idiomas, dos bons petiscos a fumegar e, sobretudo, da forma como tudo isto coexiste pacificamente transformando o ambiente numa experiência que queremos repetir vezes e vezes sem conta.

Conhecido como um café de estudantes oriundos de diversas faculdades (sobretudo de Ciências e de Medicina), palco de debates e “conspirações” anti-fascistas nos tempos da ditadura, local de reunião de intelectuais e artistas de várias gerações, o “Piolho” acompanhou períodos fundamentais da história da cidade do Porto, como se pode ver pelas inúmeras placas de mármore ou ardósia colocadas nas suas paredes, oferecidas por todo o tipo de clientes.

Mas, para espanto de muitos, o Café “Piolho” não se chama mesmo assim e quem o procurar por este nome num reclame não o encontrará.
Efectivamente, o nome originário do café é Âncora D’Ouro e este nome sobrevive ainda hoje bem patente no amplo letreiro colocado na sua fachada.
Mas como é que este local mítico e já ex-libris da cidade ficou conhecido nacional e internacionalmente pela simples designação de “Piolho”? Bom, esta questão apresenta duas versões de resposta: a primeira, prende-se com o movimento do café que diziam ser tanto e com tanta agitação que todos o alcunhavam de “piolhice”. Na segunda, foi a frequência do café por alunos universitários e por professores que originou a expressão de “piolhice”, na medida em que a convivência académica era um tanto ou quanto cerimoniosa (1).

Seja como for, o “Piolho” está vivo e recomenda-se e continua a “piolhar” tão vigorosamente como quando foi aberto em 1909!
É verdade, parece impossivel, mas este lendário café completa já 100 anos dia 26 de Junho. São 100 anos que, para quem os viveu nas suas mesas, para quem os sentiu em cada café tomado, em cada conversa mantida, em cada beijo dado, parecem 100 dias!
Mas não, são mesmo 100 anos! 100 anos de convivio, 100 anos de amizade, 100 anos de diversão, 100 anos de cultura, 100 anos de activismo, 100 anos de amor, 100 anos de muitas vidas que ficaram mais ricas naquele espaço!
100 anos que se comemoram hoje com o “piolhar” caracteristico de há 100 anos atrás graças à profissional e apaixonada dedicação da sua actual gerência composta por José Martins, Edgar Gonçalves e José Pires que souberam devolver ao “Piolho” as suas origens, trazendo ao seu meio mais estudantes, tornando as noites mais quentes com fados, tertúlias, recitais de poesia e descerramento de placas. 100 anos inolvidáveis!

Fonte: Bicafé

publicado por Cristina às 23:14

Junho 26 2009

 

publicado por Cristina às 18:02

Junho 26 2009

 

 

publicado por Cristina às 17:50

Junho 26 2009

 

publicado por Cristina às 17:48

Junho 26 2009

 

 

publicado por Cristina às 17:46

Junho 26 2009

 

 

publicado por Cristina às 17:43

Junho 26 2009

 

 


Junho 26 2009

 

 

publicado por Cristina às 11:55

Junho 26 2009

 

 

publicado por Cristina às 11:43

Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
16
18
20

21
24
27

29
30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO